Reflexões desde a Índia

Conjunto de pequenos textos escritos durante a minha estadia na Índia, entre setembro 2017 e janeiro 2018.

Buscando o Equilíbrio

Entre dar e receber

Entre cuidar de e nutrir outras pessoas e cuidar e nutrir-me a mim

Entre focar e agir externamente e focar e ser internamente

 

Entre Shakti e Shiva – a força de manifestação em movimento e a força imóvel que dá suporte


Buscando a Unidade desde dentro.


Quando eu estou inteira e plena,

Então o meu amor pode transbordar e tocar as pessoas e o mundo à minha volta.

Pequenas Grandes Aprendizagens

De cada vez que me instalo num novo quarto, faço a limpeza à minha maneira! Demorou algum tempo, mas aprendi! Se algo não está a meu gosto, não corresponde às minhas necessidades, em vez de me zangar e contestar e assim criar uma energia agressiva à minha volta, tenho a opção de tomar a iniciativa e fazer o que eu preciso de fazer para EU estar bem, numa atitude positiva e construtiva. Sem crises!

Quando nada espero, a generosidade acontece! Se estou cansada e preocupada e ansiosa, tudo é mais difícil, tudo parece propositadamente correr mal! As coisas teimam em não ser benevolentes para com o meu estado de espírito! Pelo contrário, se relaxo e confio e aceito, se deixo cair expectativas e me permito o não esforço, a vida surpreende-me com pessoas ou situações generosas, às vezes para além da minha imaginação!

Índia, Lugar de Encontros

Viajantes que se cruzam. Origens tão diferentes, culturas distintas, formas próprias de lidar com os desafios e as surpresas. Percursos de vida distintos, pontos de partida para esta viagem também distintos. Por onde passamos, o que escolhemos, quanto tempo ficamos - todas as possíveis conjugações.

 

Ainda assim, há algo profundo em comum nestes viajantes, nos quais me incluo: o não conformismo com uma vida reduzida a alguma forma de materialismo. Uma busca sincera de algo Maior! De um bem-estar que vem de dentro e permanece. De uma conexão com a Verdade da Vida! O recuperar de uma magia que sabemos ou intuímos existir!

 

Para que os nossos corações e a nossa alma se tranquilizem e sorriem! Para que a nossa Vida tenha Sentido!

4a Etapa da Viagem – Descanso Interno

Estou em Tiruvannamalai, Tamil Nadu (sul da Índia), onde viveu Ramana Maharshi. Nesta etapa, decorridos 2 meses e meio desta viagem, é tempo para DESCANSAR Internamente. Sem cursos, sem aulas, sem programas, sem planos; sem intenção ou necessidade de os encontrar; e portanto, sem expectativa ou necessidade de determinado resultado. E é tão maravilhoso estar neste estado!!! Liberdade plena para escutar as sensações e emoções e agir momento a momento sem pressão. Para acolher os imprevistos, as surpresas, os diferentes humores! Para me focar no meu Ser com menos distrações.
O Yoga está presente e enraizado nesta atitude!

O Sagrado à Flor da Pele

Quase sem me dar conta, volto uma e outra vez a um estado de presença e vibração mais rotineiro, trivial, básico, o lado mágico da vida parece menos real, a mente perde-se na teia de pensamentos.

E depois, inesperadamente, a janela da magia e do sagrado volta a abrir-se, os sentidos apuram-se e sinto-me e expresso-me com outra sensibilidade, outra força.

 

A aparentemente simples visita a um templo - descalçar os sapatos, contornar o recinto do templo e sentir o calor das pedras nos pés, admirar a estátua de alguma divindade na sua forma e decoração, receber as bênçãos do "padre guardião" -

transforma-se num reencontro com a minha alma, com algo profundamente genuíno e poderoso e belo presente no meu Ser e que me conecta à Grande Vida!

Uns instantes curadores e nutridores em que a minha mente não resiste nem tão pouco duvida do Mistério, em que o meu coração reina e guia a minha voz em preces de luz e fé!

 

Assim se expressou hoje em mim mais uma vez a Vida! Aho!

Índia – Destruidora de Egos e Auto-Importâncias

"It's not about me"! - a pessoa individual com as suas necessidades e motivações próprias é muito menos importante que na nossa cultura "ocidental". Às vezes sinto como se não tivesse importância nenhuma!! Parece haver sempre uma realidade maior, uma visão mais ampla de conjunto, e que se estende no tempo para além do momento concreto presente, palpável e visível.

Não sei bem explicar... É estranho porque é diferente do que conheço, porque uma cultura leva tempo a conhecer e compreender...

Mas neste desafio que é dar menos importância ao que eu (acho) que preciso, de estar menos apegada ao que eu acho que deve acontecer, vou descobrindo o sentido de união,

a bênção de pertença e diluição numa humanidade maior,

a paz de soltar as expectativas, exigências, ideias e preconceitos de como as "coisas" devem ser,

o descanso de não ter que saber a resposta ou acção certa em cada momento,

a confiança na vida, com toda a sua imprevisibilidade e aparentes contradições!

O que não faz sentido agora, fará sentido no momento certo! Há Forças Maiores que sabem melhor que eu e que tomam conta!

 

E mais uma vez, a clareza de que é por estas aprendizagens que aqui estou. Este é o Yoga que busco.

Desde os Himalaias – Ritual Intensive

4° dia dum retiro especial - festival hindu Navaratri

Numa pequenissima aldeia nos Himalayas, Netala, a 8 km da cidade de Uttarkaschi, a 6 longas horas de Rishikesh em estrada de montanha. Estou num ashram - organização Purna Vidya, num local lindo e super tranquilo, mesmo à beira do rio Ganges.

Este festival de 9/10 dias é dedicado a celebrar a deusa Durga, o poder feminino mais poderoso, nas suas várias expressões, sendo uma das mais significativas a MaGanga (Deusa Mãe Rio Ganges).

O programa é conduzido também por um poder feminino, uma swamini (monja), e inclui sessões de Vedanta, para reflexão sobre a essência da vida. Na maioria, consiste de rituais - como diz a swamini, não é um intensivo de yoga, é um intensivo de rituais! Estamos horas no templo a invocar, celebrar, agradecer as deusas e os deuses, como expressões da Grande Vida ou do Grande Poder que é a fonte de tudo. Rituais ricos de significado, em que cada gesto, cada objecto, cada palavra e mantra tem um sentido. De tão misterioso e intenso, aos meus olhos tão extraordinário e exótico, torna-se por vezes quase num transe. E muito genuíno, com profunda alegria. Muita fé!

 

Está a ser uma profunda aprendizagem de abertura ao desconhecido, de deixar de lado a razão e conectar com o sentir. De viver o tempo doutra forma, aprender a não pressa, a fluidez que nasce de estar totalmente entregue na ação, sem dúvidas, sem receios, sem culpas. É impressionante o descobrir que há tempo para tudo.

 

Palavras de orientação sábia que recebo com gratidão e humildade da Swamini:

Enjoy!

All is well!

Dance through Life! Flow with Life!

 

Não me sinto só, não é possível. Estou muito bem acompanhada, por pessoas queridas e por uma energia de fundo de muito amor e suporte, com o poder da mãe natureza!

É uma bênção estar aqui, um enorme privilégio, estou enormemente agradecida!!

 

Sinto finalmente que cheguei a esta terra, a esta cultura, a esta gente! Que o coração, que agora se sente seguro, relaxa e se abre. E deste lugar relaciono-me com as pessoas de forma mais fluída e positiva. Que bom, que paz!!!

Naturalmente os desafios vão surgindo, haverão os inevitáveis momentos duros, mas tenho chão!!

Para receber informação por email sobre novas actividades, enviar por favor email para decorpoealma.yoga@hotmail.com

Relaxa sem preguiça

Concentra-te sem tensão

Perceciona sem projetar

Testemunha sem julgar

Desfruta sem ânsia

Reflete sem imaginar

Ama sem condições

Dá sem exigir

Recebe sem possuir

Serve sem interesse

Desafia sem dominar

Medita sem identidade

Corrige sem culpar

Supera sem orgulho

Ri sem cinismo

Chora sem ter pena

Confronta sem ódio

Guia sem superioridade

Sê sem auto-definição

Vive sem arrogância

Entra sem auto-importância

Parte sem arrependimentos

Sê um com Deus


Mooji, Fevereiro 2014
texto original em inglês